quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Agronegócio Brasileiro é promovido no exterior

Emirados Árabes, Indonésia, China, Hong Kong, África do Sul, Arábia Saudita, Vietnã e Rússia foram países nos quais o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) promoveu missões comerciais em 2009.

O calendário incluiu exposição de produtos nacionais em feiras de alimentos, além de rodadas de negócios e outras atividades de divulgação do agronegócio brasileiro. Foram oito visitas comerciais a países com potencial importador, com média participativa de 13 entidades por delegação.

Os setores que mais se fizeram presentes foram lácteos, carnes, café, bebidas, confeitos, além de associações do agronegócio.

A programação na China serviu para aproximar, de potenciais compradores, asiáticos as cooperativas brasileiras de carnes (aves e suínos), produtos lácteos, café, soja e outros grãos, suco de laranja, algodão e plantas medicinais. Tal iniciativa mostrou ser possível diminuir a ação de intermediários com a presença de cooperativas cujos produtos já conquistaram o mercado mundial.

Fonte: Mapa

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Sisbov é tema de palestra durante Showtec 2010

Para falar sobre as mudanças no Sisbov (Sistema de Identificação e Certificação de Bovinos e Bubalinos), o Showtec 2010, fará uma palestra para os produtores rurais.

O evento será ministrado pelo médico veterinário Horácio Tinoco, que faz parte da Comissão Técnica Consultiva do Sisbov, representando a Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul).

Horácio diz que o novo modelo avançou a passos largos em relação à Instrução Normativa nº 17, que ainda está em vigor. “Reduziu muito a burocracia e as normas passaram a ser exeqüíveis”, avalia.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Abastecimento e Pecuária, não haverá mais necessidade de um intermediário para transmitir as informações do criador para o sistema. Assim, o produtor terá uma senha para inserir os dados no programa e o papel das certificadoras e dos agentes será o de certificar os animais.

O Showtec 2010 acontece de 02 a 04 de fevereiro, na cidade de Maracaju (MS).

Por Carla Layane

Com informações CG News

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Showtec 2010 ensina produtor a evitar perdas com alterações climáticas

Após forte estiagem no último verão, produtores de Mato Grosso do Sul agora se vêem diante de um fim de ano com volume de chuva muito acima da média histórica, o que traz à tona o questionamento: Como se prevenir e evitar perdas por variações climáticas?

A influência destes ciclos na produção e na comercialização será assunto da estação “Caminhos da Agricultura frente às Variações Climáticas” que o sócio- diretor da SOMAR, Southern Marine Weather Services, Paulo Etchichury, irá apresentar no Showtec 2010, no dia 2 de fevereiro, em Maracaju (MS).

A estação integra os Giros Tecnológicos, que são mini- palestras abordando de forma dinâmica assuntos relacionados aos principais aspectos do sistema produtivo. Etchichury lembra que as chuvas abundantes deste fim de ano, conseqüentes do fenômeno El Nino, não são uma surpresa, já eram previstas há meses. Por isso, o produtor rural deve estar preparado para as mudanças climáticas, que respeitam um ciclo.

Através de assessorias especializadas e acompanhando prognósticos, é possível saber até com 10 meses de antecedência como o clima vai se comportar e com base nisso tomar decisões, verificando oportunidades e minimizando riscos. Ao saber se haverá mais ou menos chuvas, o produtor pode se programar, optando pelas variedades e culturas mais adequadas e evitar prejuízo. “O clima tem ciclos não bem determinados mas existem prognósticos bastante confiáveis que ajudam o produtor a decidir estratégias adequadas”, afirma Etchichury.

Acompanhar as alternâncias de ciclos nos últimos 10 anos e o comportamento da lavoura neste período é uma das orientações do especialista. “O clima sempre teve seus ciclos o que é novo é que hoje estamos demandando mais os recursos naturais”, finaliza.

Showtec 2010

O Showtec 2010 será realizado pela Fundação MS de 2 a 4 de fevereiro, em Maracaju. Informações sobre o evento podem ser obtidas pelo site da Fundação (www.fundacaoms.com.br) ou pelo telefone (67) 3454-2631 (67) 3454-2631 (67) 3454-2631 (67) 3454-2631 .

Fonte: Famasul

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

I Encontro de Fiscais Estaduais de Defesa Sanitária Vegetal aconteceu na BA

A defesa sanitária é estratégica e imprescindível para fortalecer a agropecuária e a economia”, disse o secretário da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária, Roberto Muniz, ao participar nesta terça-feira,(15), da abertura do I Encontro de Fiscais Estaduais de Defesa Sanitária Vegetal, promovido pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia, Adab, no auditório do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia da Bahia, Crea-Ba.

O secretário participou também da reunião da Câmara Especializada de Agronomia do Crea, onde destacou a importância do projeto de assistência técnica do Estado, que está sendo colocada em discussão pela Sub-Comissão de Assistência Técnica e Estensão Rural e Defesa Agropecuária da Assembléia Legislativa, presidida pelo deputado Luiz Argolo, que também participou da reunião. O encontro prossegue até hoje (17).

Além do secretário e do deputado Luiz Argolo, a reunião da Câmara Especializada de Agronomia do Crea, dirigida por José Vivaldo, contou com as presenças do presidente do Crea, engenheiro agrônomo Jonas Dantas, e de técnicos da EBDA e Ufba.

A reunião teve o objetivo de discutir uma proposta de modelo de gestão de assessoramento técnico no setor agropecuário baiano. O diretor geral da Adab, Cássio Peixoto, também participou da abertura do encontro, comemorando os resultados expressivos alcançados nos últimos anos em termos de defesa sanitária.

Ele lembrou que a Bahia é hoje referência no País por causa do trabalho executado pelos técnicos baianos. Para o secretário Roberto Muniz, falar de assistência técnica e de defesa sanitária na agropecuária é falar de produção, distribuição de riqueza, inclusão social, geração de postos de trabalho e melhoria da qualidade de vida. Para José Vivaldo, presidente da Câmara, “a Seagri inaugurou uma nova fase na agricultura da Bahia”.

De acordo com Jonas Dantas, presidente do Crea-Ba, “a agricultura baiana tem um novo impulso e incorpora hoje outros elementos, como o aquecimento global e a gestão pública das águas”. Para ele, tem sido importante a integração da Seagri, através da Ebda, com o Crea. O secretário Roberto Muniz destacou a importância dos engenheiros agronômos e veterinários, e do trabalho realizado por eles, lembrando que “a área técnica é proteção para que as políticas públicas tenham carater permanente”.

Ele disse que defesa sanitária é questão de estratégia do Estado e deve ser vista como investimento. “O mercado quer garantias na área de produção, e nós somos engrenagem do processo produtivo”, disse ele, explicando que “o mercado requer boas práticas, e a sociedade exige e deve ter produtos de qualidade”.

Informações: Jornal Feira Hoje

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Abastecimento no mercado pode ser afetado com decisão da Abras, afirma Acrissul

O presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) Francisco Maia prevê desabastecimento de carne com a decisão da Abras (Associação Brasileira de Supermercados) de lançar o programa de certificação socioambiental da carne.

Para ele, a discussão teria que ter envolvido a classe produtora que está descapitalizada e não têm condições de implementar mudanças no sistema produtivo para atender às exigências. “Primeiramente eles teriam de saber qual é a realidade nas fazendas para não terem de pagar o mico de voltarem a trás. Essa é uma medida oportunista e marqueteira, porque todos querem sair na fotografia de Copenhagen”, afirma.

O presidente da Acrissul afirma que, segundo informações da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), 90% das propriedades rurais não atendem aos critérios do Código Florestal, e que até mesmo o governo federal estendeu o prazo para que os proprietários regularizem suas terras. “Ora, 90% das fazendas não têm como obter esse certificado. Então como os supermercados vão colocar carne nas prateleiras?”.

Maia diz que é favorável ao certificado de responsabilidade socioambiental, mas pondera que “a preservação tem um custo e que, atualmente, a maioria dos produtores está descapitalizada”.

Além disso, questiona o porquê de o varejo não ter baixado o preço da carne ao consumidor no mesmo nível em que a arroba desvalorizou. “Quando a arroba do boi chegou a R$ 90 os supermercados foram os primeiros a subirem os preços, mas agora, quando está a R$ 65 eles baixaram o preço da carne na gôndola?”, questiona.

A discussão sobre exigência da certificação pelos supermercados ganhou força após grandes redes de supermercados terem os nomes relacionados à pecuária mantida em áreas de desmatamento.

Informações: Notícias Agrícolas

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Seguro rural poderá ser ampliado

A bancada ruralista se articula para garantir R$ 451 milhões em subsídio ao seguro rural no Orçamento Geral da União para 2010. O deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS), autor de emenda ao projeto que garantiu verba adicional neste ano, repassou ao deputado Geraldo Magela, relator do Orçamento, a informação de que os R$ 238,7 milhões reservados para o próximo ano estão abaixo do necessário. A demanda ultrapassaria R$ 600 milhões segundo fontes do setor.

Por lei, o Tesouro Nacional paga metade do custo das apólices rurais. A ampliação é considerada importante pelo consultor da Fecoagro Tarcísio Minetto, tendo em vista uma safra com previsão de queda de renda, preços descendentes e problema climático.

Na semana passada, o governo federal publicou no Diário Oficial da União lei que recupera R$ 90 milhões cortados do orçamento original para garantir pagamento dos subsídios federais ao prêmio do seguro rural 2009, montante já comprometido pelas seguradoras que, agora, poderão emitir as apólices a serem contratadas pelos produtores.

O diretor do Departamento de Gestão de Risco Rural do Ministério da Agricultura, Welington Almeida, lembra que, somado aos R$ 182 milhões liberados desde janeiro, a verba completa os R$ 272 milhões solicitados pelo setor.

Fonte: Agronotícias

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

CNA e Governo promovem acordo para proteger biomas

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, assinou ontem (10) um acordo com a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, senadora Kátia Abreu (DEM-TO), para promover a proteção e o uso sustentável dos biomas brasileiros sem comprometer a produção agropecuária. Esse termo de cooperação técnica foi apelidado de "Projeto Biomas" e receberá investimentos do setor privado de R$ 20 milhões a serem aplicados nos próximos nove anos.

O acordo prevê estudos científicos para recuperar áreas de cobertura nativa em propriedades rurais, mas com mecanismos que garantam simultaneamente a geração de renda para o produtor rural. Os estudos, de acordo com termo assinado hoje, serão específicos para cada um dos biomas brasileiros: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal.


Um dos objetivos do projeto é criar uma rede nacional de manejos de Áreas de Preservação Permanente (APPs), Áreas de Uso Alternativo (AUAs) e de Reserva Legal, além da adoção de parâmetros para definir a largura de APPs, principalmente as fluviais. "Precisamos produzir mais alimentos, pois cerca de 1 bilhão de pessoas passam fome ao redor do mundo, até mesmo no Brasil, mas não podemos abrir mão de nossas florestas, da nossa biodiversidade", considerou Kátia Abreu.

O ministro também ressaltou a importância do acordo. "É extremamente importante, pois mostra o interesse que a agricultura tem em sustentabilidade", disse Stephanes.


Fonte: O Estadão

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Leilões em novembro renderam R$ 86,3 milhões

Em novembro aconteceram no País 151 leilões com oferta de genética para carne e leite, mais ovinos, caprinos e equinos. A pesquisa faz parte do levantamento diário de DBO junto às leiloeiras de todo o País, com resultados que podem ser conferidos neste site.




Fechado o mês, a renda deu em R$ 86,3 milhões na venda de 9.635 lotes entre animais, prenhezes, coberturas e aspirações de folículos ovarianos que garantam produtos nascidos. Na comparação com novembro de 2008 houve recuo na oferta e valorização nas pistas. No ano passado, o levantamento DBO apurou 160 leilões, 11.258 lotes nas pistas e fatura de R$ 77,3 milhões.




O maior número de remates deste ano saíram no Sul do País (2.801 lotes por R$ 12,8 milhões). Na sequência estão o Centro-Oeste (1.497 lotes por R$ 22,2 milhões), Sudeste (1.380 lotes por R$ 27,5 milhões), Nordeste (752 lotes por R$ 5,8 milhões) e Norte (131 lotes por R$ 646.440). Os virtuais também pesaram ao contabilizar 3.074 vendas por R$ 17,2 milhões.



Fonte: DBO
Foto: Bruno Navarro

Avanço nas biotecnologias exigem revisão da lei sobre a venda de sêmen

Os avanços das biotecnologias de reprodução bovina estão exigindo uma profunda revisão da Lei 6.446. A lei trata da inspeção e fiscalização apenas de sêmen bovino comercializado para inseminação artificial, porém outras tecnologias já foram desenvolvidas depois de 1977. Por isso, representantes das associações de criadores de várias raças estiveram na semana passada em Brasília, DF, com secretarias do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para discutir a atual redação do projeto que trata da revisão da Lei 6.446.
Em nota à imprensa, o superintendente da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, Celso Menezes, ressalta que as entidades querem que seja mantida a obrigatoriedade de inspecionar e fiscalizar tendo em vista o aspecto zootécnico e não somente a parte sanitária. As sugestões feitas pelas entidades serão analisadas pelo Mapa.
Antes de seguir para votação no Congresso, o assunto voltará a ser debatido pelas associações, pelas centrais de inseminação e pelo Mapa. A próxima reunião deve ocorrer no início do próximo ano. Não há data prevista para votação do PL na Câmara, porém os criadores reivindicam que seja ainda em 2010.
Fonte:DBO

Legislação sobre Defesa Sanitária Animal é alterada em MT

O Governo do estado sancionou a lei nº 9.258, alterando legislação sobre a Defesa Sanitária Animal em Mato Grosso. A principal mudança trata da regulamentação da atividade de leilões rurais. De acordo com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Riva (PP), autor da proposta, a norma anterior não atendia ao disposto na Lei Federal nº 4.021, de 13 de julho de 1999, que cria a profissão do leiloeiro rural.

Segundo o deputado, a legislação federal ainda estabelece uma série de requisitos para o exercício da profissão. Dentre eles, a exigência de domicílio por mais de um ano, no lugar em que pretende o interessado, fazer centro de sua profissão, fato que hoje está sendo desconsiderado.

A nova legislação altera o parágrafo único do Art. 15 da lei nº 7.138 de 13 de julho de 1999, trocando a expressão “leilões” por “leiloeiros rurais”. “Os proprietários, os profissionais e os estabelecimentos envolvidos com a exploração de animais, beneficiamento ou comercialização de produtos de origem animal e insumos pecuários, frigoríficos, laticínios, leiloeiros rurais, exposição e feiras de animais, revendas de produtos de uso veterinário e de insumos pecuários e assemelhados, ficam obrigados a requerer a sua inclusão no Cadastro Estadual de Estabelecimentos Pecuários, na forma estabelecida pelo presente regulamento desta lei”, diz a nova redação.

Ainda conforme o presidente José Riva, a mesma modificação foi promovida no Art. 17. Assim sendo, torna-se obrigatório o cadastramento anual do leiloeiro junto ao Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso. Já no artigo 31 foi alterada a redação do parágrafo primeiro, incluindo as exigências estabelecidas pela legislação federal.

A regulamentação da lei será conforme disposição da Emenda Constitucional nº 19, de 12 de dezembro de 2001.


Fonte: Só notícias

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Primeiro clone zebuíno no mundo com registro é de MG


A bezerra da raça Nelore registrada como Divisa Mata Velha TN 1 inaugurou uma nova e importante fase na pecuária brasileira. Trata-se do primeiro clone zebuíno com registro no mundo outorgado pela ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu).

A bezerra, nascida em 1º de setembro deste ano, é clone da vaca Divisa Mata Velha (BR 1000), animal de alto valor genético, cujas crias chegam a custar R$ 2 milhões.

Além de ser o primeiro clone a obter registro no Brasil, Divisa carrega ainda outro importante predicado, é fruto de mais uma parceria público-privada bem sucedida entre a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e a Brasif S/A Administração e Participações, firmada em 2006.

A bezerra foi clonada no laboratório Geneal, na cidade de Uberaba, MG, que é resultado da parceria entre as duas instituições. O laboratório de ponta tem estrutura para desenvolver as mais modernas pesquisas na área de biotecnologia da reprodução animal, como: produção de embriões in vitro, clonagem de bovinos e genotipagem (exame de paternidade animal por análise de DNA).

O caminho - Em maio deste ano, o Mapa (Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento) autorizou as associações de criadores a efetivarem o registro dos animais clonados. É mais segurança aos criadores e parceiros. Vários estudos demonstraram que a estabilidade genética dos descendentes de um clone é exatamente a mesma dos descendentes do animal que foi clonado.

Escala industrial - O nascimento de “Divisa” é um resultado importante dos esforços conjuntos entre a Embrapa e a Brasif, mas o objetivo das instituições é que o laboratório Genal esteja apto para clonar animais em larga escala num período de até cinco anos.

As tecnologias de reprodução animal têm grande impacto no setor produtivo, pois têm resultados diretos na melhoria do rebanho, através do melhoramento animal e do conseqüente aumento de eficiência na produção.

Dentre essas técnicas, a clonagem por transferência nuclear é uma das evoluções mais significativas pelo grande potencial de impacto na pecuária brasileira, a partir da multiplicação de animais de elevado valor genético.

A parceria com empresas privadas é determinante para o aprimoramento das tecnologias desenvolvidas pela Embrapa e também para fazer com que cheguem mais rápido ao setor produtivo. Além disso, resultam em royalties para a Empresa.

Pioneirismo - A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia é pioneira no desenvolvimento de clones bovinos no Brasil: em 2001, desenvolveu o primeiro clone bovino da América Latina: a fêmea bovina da raça Simental “Vitória da Embrapa”; em 2003, mais um animal foi clonado: “Lenda da Embrapa”, da raça Holandesa, foi desenvolvida a partir de células de um animal morto; em 2005, nasceram “Porã” e “Potira”, clones da raça Junqueira, atualmente em alto risco de extinção, com menos de cem animais em todo o Brasil.

O nascimento das bezerras representa uma esperança de salvação para essa raça no país. Todos os clones já têm crias, o que comprova o seu bom potencial reprodutivo e habilidade materna.


Fonte: Agrolink

Linha de crédito para pecuária é lançado na BA


Para promover a expansão do rebanho bovino baiano, estimado em 11 milhões de cabeças, foi lançado o Propec (Programa de Alavancagem e Fortalecimento da Pecuária da Bahia). A iniciativa é uma realização do Banco do Brasil em parceria com a Seagri (Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária), e prevê a aplicação de R$ 220 milhões na safra 2009/2010 e o atendimento a 20 mil criadores de gado de corte e leite nos segmentos empresarial e familiar. Também poderão ser beneficiadas pessoas físicas, jurídicas ou cooperativas de produtores rurais.

A Seagri atuará como parceira no trabalho de articulação com os pecuaristas, através dos escritórios e gerências da Adab (Agência de Defesa Agropecuária da Bahia) e da EBDA (Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola), respectivamente.

Com o programa, os projetos produtivos destinados à recuperação de áreas degradadas terão um limite financiável de até 100% do investimento total, com teto de até R$ 400 mil, por beneficiário. Para os demais casos, o valor financiado será de R$ 300 mil. Os encargos equivalem, respectivamente, a 5,75% e 6,75% ao ano, com prazos que vão até 144 meses e 36 meses de carência (integração agricultura, pecuária e silvicultura).

Serão 60 meses e seis de carência (correção do solo) e 60 meses com 24 de carência (demais casos). Para o financiamento do custeio, os encargos vão até 6,75% ao ano e o prazo é de 1 ano.

Entre os itens financiáveis, estão a implantação de sistemas orgânicos de produção agropecuária; implantação e ampliação de sistemas de integração agricultura-pecuária; construção e modernização de benfeitorias; aquisição de máquinas e equipamentos; aquisição de animais; sêmen e assistência técnica, entre outros.

Fonte: Suinocultura Industrial

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Agenda positiva traz dados da produção agropecuária 2009 e desafios para 2010

A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), técnicos, consultores e diretores da Federação apresentaram os números da produção agropecuária de 2009 e os principais desafios a serem enfrentados em 2010, trata-se da ‘agenda positiva’.

A crise dos frigoríficos, estocagem do milho segunda safra, moratória da carne, e principalmente a legislação ambiental foram fatos preocupantes que marcaram o setor agropecuário mato-grossense em 2009, o que para o presidente da Famato, Rui Prado, não impediu que Mato Grosso se consolidasse como o maior produtor de grãos, de bovinos e ainda detentor de uma cobertura vegetal de 64% do território.

“Foi um ano muito difícil, mas também de muitas conquistas. A competência do produtor colocou mais uma vez Mato Grosso no topo da produção nacional de grãos e carnes e o mais importante preservando 64% da vegetação sendo que, desses, 67% são de responsabilidade do setor agropecuário”, disse Prado.

Fonte: Agronotícias

Prêmio Destaques do Agronegócio da Bahia homenageou setor pecuário

De cada R$ 4 produzidos na Bahia, R$ 1 vem do agronegócio, setor da economia que já responde por 24% do Produto Interno Bruto (PIB) no Estado. Foi para homenagear agricultores, pecuaristas e profissionais baianos que trabalham em prol da agricultura e pecuária , que 24 personalidades receberam, na noite de ontem (6), no encerramento da 22ª edição da Fenagro, no Parque de Exposições, em Salvador, o Prêmio Destaques do Agronegócio da Bahia.

Instituído pela Associação Baiana de Expositores (Abexpo), com apoio de A TARDE, Secretaria Estadual de Agricultura (Seagri) e com patrocínio do Banco do Nordeste e Petrobras, o prêmio tem por objetivo contribuir para o aprimoramento das atividades agropecuárias, incentivar iniciativas de respeito ao meio ambiente, além de reconhecer o esforço e a importância do segmento do agronegócio para a economia baiana.

A premiação foi entregue a representantes de 19 segmentos da agricultura e pecuária e homenageados cinco personalidades que se destacaram em suas áreas: os agricultores familiares Jesuíno Vieira Santos, na categoria sementes; Hélio Cerqueira de Oliveira, na categoria policultor; e Tomohidi Takenami, categoria produtor orgânico.

O empresário Edval Benigno do Rosário foi escolhido o empreendedor do agronegócio na Bahia, e o agrônomo falecido Paulo Abreu Souza recebeu homenagem póstuma, pela sua contribuição na divulgação das técnicas de agricultura no meio rural.

Informações: A Tarde online

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Pesquisador promove discussão via Internet sobre pecuária e clima

O pesquisador João José Assumpção de Abreu Demarchi, do Instituto de Zootecnia (IZ), fará uma apresentação de slides e participa, simultâneamente, de um chat, quando os visitantes do blog poderão postar dúvidas, sugestões e comentários. O endereço é http://www.agriculturasp.blogspot.com/.

Segundo o pesquisador, a produção de metano (CH4) na indústria agropecuária contribui com aproximadamente 30% do total de gás emitido. "Os ruminantes globalmente produzem de 80 a 103 milhões de toneladas de CH4/ano, o que representa 25% do metano produzido pela humanidade (aproximadamente 3% do total de gases de efeito estufa)", diz João José.

Para contribuir com a discussão, o IZ criou o "Programa de Mudanças Climáticas e Sustentabilidade da Pecuária", que tem como objetivos avaliar o balanço (produção e sequestro) de gases de efeito estufa (CO2 - gás carbônico, CH4 e N2O - óxido nitroso) em diferentes sistemas de produção de carne bovina; identificar tecnologias que reduzam a produção de gases de efeito estufa para cada quilo de carne ou leite bovino produzido; validar procedimentos para garantia de qualidade e rastreabilidade dos produtos gerados, entre outros pontos.

Para Demarchi, para enfrentar as mudanças climáticas, o pecuarista deverá aplicar preferencialmente o "Manual de Boas Práticas de Produção Agropecuária", visando a intensificação e busca do ótimo ambiental dos seus sistemas de produção (tecnologias, manejo, equipamentos e insumos); respeito à legislação ambiental, incluindo desmatamento zero e conservação dos recursos hídricos; capacitação de mão-de-obra; e a terceirização de serviços e diversificação dos sistemas de produção (integração agrosilvipastoril).

Fonte: DBO

Programa de Certificação de Produção Responsável na Cadeia Bovina é lançado

A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) promove no dia 7 de dezembro, em sua sede em São Paulo, o lançamento do "Programa de Certificação de Produção Responsável na Cadeia Bovina".

O objetivo do programa é que a carne distribuída ao consumidor brasileiro, por meio das empresas supermercadistas participantes, tenha origem em fazendas do território nacional compromissadas com o atendimento à legislação e com o fim do desmatamento.

Segundo informa a Abras, a ação da entidade conta com o apoio das principais redes supermercadistas e dos principais frigoríficos do país.

Na ocasião, representantes das empresas assinarão o termo de adesão ao programa. Serão também anunciados acordos de cooperação entre a Abras, ministérios e órgãos de governo.

Fonte: DBO

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Genética Aditiva participa da 35ª Expoverde


A 35ª Expoverde, Exposição Agropecuária de Rio Verde (MS), tem início hoje (03) e prossegue até domingo (06), no Parque de Exposições Olívio Valteno de Oliveira. Durante o evento, os pecuaristas contarão com duas oportunidades para comercializar gado de qualidade. No dia 04, sexta-feira, às 20h, acontece o Leilão Criadores de Rio Verde, com a transmissão do Novo Canal. Serão ofertados 2.000 animais para corte.


Já o Leilão Reprodutores de Rio Verde disponibiliza no sábado (05), às 20h, uma seleção de grandes touros Nelore PO. Na ocasião, a Genética Aditiva – Hélio Coelho e Filhos participa do remate com a oferta de 50 reprodutores PO avaliados pelo programa de melhoramento genético da USP.

O evento será realizado pela LeiloSat ralizará e os promotores são: Genética Aditiva - Hélio Coelho & Filhos; Jerônimo Machado; Deoni Carlotto; Zila Correa Machado; René Paulella; Ressala Elias Júnior e Orestes Costa Júnior.

O remate Genética Aditiva - Hélio Coelho & Filhos será realizado às 13h e transmitido pelo Novo Canal.

Por Bárbara Ferragini
Informações Genética Aditiva e Agronline


terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Ambientalismo pode se tornar sinônimo de prosperidade



A sustentabilidade, antes vista como capricho de um seleto grupo de empresas, hoje é reconhecida como um dos tripés do desenvolvimento econômico, social e ambiental. Hoje, este termo é parte de qualquer planejamento estratégico de qualquer companhia, ainda mais se ela for de capital aberto. Um exemplo a ser seguido é o caso da SLC Agrícola, uma empresa familiar que se profissionalizou e abriu capital em bolsa no ano de 2007.

Com expertise na produção de soja, milho e algodão, a companhia hoje tem 220.8 mil hectares plantados com as três commodities espalhados pelo Brasil. Todas as ações são realizadas respeitando o Código Florestal. Prova disso é que, em comunicado recente ao mercado, a companhia divulgou que está adquirindo, por R$ 3,36 milhões, oito mil hectares de terras no município de Santa Cruz do Xingu, MT.

Tal medida é estatégica e visa a compensação de Reserva Legal de futuras aquisições. Essa antecipação faz parte do novo paradigma empresarial que coloca a sustentabilidade como elemento essencial a todo o processo produtivo.

Para o presidente da SLC Agrícola, "a nova consciência ambiental exige que as empresas agrícolas coloquem a natureza em primeiro lugar".

No quesito social, a empresa se diferencia por ter um plano de carreira vertical, ou seja, promove a prata da casa, iniciativa que estimula os funcionários da empresa.

Quanto ao desempenho econômico, os números falam por sí. Em 2008, o lucro bruto foi de R$ 166,3 milhões, um salto de 124,1% em relação aos R$ 74,2 milhões registrados no ano anterior.


Por Bárbara Ferragini
Informações Revista Dinheiro Rural.


O Oscar da pecuária brasileira



O evento mais esperado do ano está de volta: Nelore Fest 2009. A data marcada para acontecer é dia 14 de dezembro, às 19h30, no Espaço Rosa Rosarum, em São Paulo.



Na ocasião, será realizada a entrega do Prêmio Nelore de Ouro e dos troféus aos campeões do Ranking Nacional ACNB e do Circuito Boi Verde de julgamento de Carcaças.



O tradicional evento marca a integração da cadeia produtiva da carne e a confraternização da família nelorista.



Mais informações no site http://www.nelore.org.br/.



Por Bárbara Ferragini
Informações Revista Dinheiro Rural.